Documents

A Mente Como Objeto de Estudo na Filosofia

Description
Um trabalho sobre a mente na visão de vários filósofos
Categories
Published
of 12
8
Categories
Published
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Similar Documents
Share
Transcript
  MARCELO MAIA GOMES- 1091671   Graduação em Filosofia   A MENTE COMO OBJETO DE ESTUDO NA FILOSOFIA   Orientador: Professor Antônio Soares Geraldo   Centro Universitário Claretiano   BELO HORIZONTE   2014    A MENTE COMO OBJETO DE ESTUDO NA FILOSOFIA   Introdução:   Este projeto propõe investigar o problema da mente na Filosofia, bem como sua transformação em objeto de estudo a partir do advento da ciência moderna. Quais são as confluências no estudo da mente entre filósofos, psicólogos, psiquiatras e neurologistas? Qual o diálogo possível de se estabelecer entre essas diversas abordagens sobre o mesmo objeto, qual seja, a mente?    A partir de uma pesquisa de revisão bibliográfica, busca-se identificar e analisar as várias concepções sobre a psiquê em distintos momentos do pensamento ocidental, discutindo as concepções de diversos pensadores sobre a mente. Tomando como ponto de partida as tradições antigas, sobretudo a grega, procura-se demonstrar as formas de interpretação da mente e seus desdobramentos em outros campos do saber que se configuraram ao longo da história ocidental, a exemplo da Mitologia, Religião, Filosofia, Psicologia, Psiquiatria, Psicanálise e Neurologia.   Objetiva-se demonstrar como a mente é interpretada de diferentes formas e por difererentes campos do conhecimento até a época contemporânea, sobretudo a contribuição da Filosofia como precursora de toda a discussão existente até hoje sobre a psiquê humana.   Resumo:   Palavras-Chave: mente,alma, loucura, psicologia, psicanálise   Metodologia:   A MENTE E SEUS PROBLEMAS NA MITOLOGIA    A mente vem sendo um objeto de especulação desde os primórdios da humanidade. Muito antes do surgimento do raciocínio lógico na Grécia e do desenvolvimento do pensamento oriental, o homem já procurava explicar a questão mente-corpo, quer seja através de um senso comum bem superficial, quer seja através de crenças, muitas vezes surgidas devido a falta de conhecimento do homem sobre si mesmo e da natureza que o cerca.   Na antiguidade, duas mitologias se destacam, influenciando outros povos e, ainda hoje sendo objeto de estudo para vários ramos do  conhecimento; a grega, expressa nos poemas épicos de Homero e de Hesíodo e, a indiana, apresentada em suas escrituras sagradas.   Da mesma forma em que tentava explicar o que era a mente, as mitologias desses dois povos (gregos e indianos) também se preocupavam em dar respostas para os problemas comportamentais dos homens.   Os Vedas, como são chamados os escritos sagrados indianos, há milhares de anos, identificavam a natureza humana como mente e corpo. De acordo com o pensamento indiano, o ser humano não tem conhecimento de sua própria natureza e se julga incompleto, o que causa uma série de desejos. O “eu”, que é a mente ignora que já é completo e fica em busca de p eças para um quebra-cabeça que já está montado. E é essa busca que vai causar os problemas da mente. O ser humano começa a se sentir frustrado, confuso e irritado, pois procura completar o que já está completado. A partir daí, passa a criar um mundo além q ue possa lhe dar esse “complemento”. A criação mental desse mundo é a base do pensamento mitológico e religioso.   Na mitologia e na religião, o homem se encontra e passa a acreditar que só será completo através de sua servidão aos deuses e demais seres sobrenaturais. Um dos motivos do ser humano se sentir incompleto é o seu caráter especulativo. Por não encontrar respostas no mundo visível, ele as cria no mundo alegórico. A mente mitológica e religiosa soluciona todas as questões e preenche o “buraco” que o homem acredita existir em si.   O Mahabarata visto por alguns autores como o texto sagrado de maior importância no hinduísmo, ao contrário dos Vedas, fundamenta-se na mitologia para elucidar as questões humanas. O bem e o mal se personificam na forma de deuses e demônios, respectivamente. Nessa perspectiva, o louco é aquele que está completamente afastado dos seres benignos e dominado pelos seres malignos e, a cura está na servidão a Brahma (Criador) e na busca pela libertação de sua mente do mundo físico para o espiritual.   Na Grécia, Homero também possuía essa visão transcendental sobre mente e corpo. Após a morte, a alma se liberta do mundo físico para o mundo espiritual.   [...] mas a alma humana, uma vez escapada do encerro   dos dentes, não mais se deixa prender, sem podermos,   de novo, ganhá- la.” (Homero.Ilíada IX, 408-409)  Nos textos homéricos, na Grécia, os problemas mentais resultam da ira divina. O homem, por não aceitar seu destino é punido por Zeus ou por outras divindades subalternas. Para os gregos, neste período, a cultura e a sociedade eram definidas pelos deuses e todos aqueles que agiam de modo diferente dos costumes da maioria, eram considerados como loucos.     No período posterior, o dos poetas trágicos, a loucura deixa de ser um fenômeno mítico e ganha uma conotação mais humana, sendo a consequência de certas paixões extremas. Os problemas da mente são causados por conflitos: entre paixão e normas sociais; razão versus instinto; desejo versus vergonha; amores conflitantes versus ódio e afeto. A cura para os transtornos está na moderação, na prudência e na temperança. Paralelamente a essa concepção dos trágicos, Hipócrates formula uma concepção natural dos problemas mentais. Para o “pai da medicina”, a loucura está relacionada a desequilíbrios da natureza e não do espírito. Ou seja, o problema está no cérebro e não na alma. A loucura começa a ser totalmente “desmitologizada”, dando lugar a uma perspectiva mais materialista e humana.   A MENTE APÓS O SURGIMENTO DA FILOSOFIA  A partir do desenvolvimento do pensamento lógico na Grécia, as questões sobre a mente e seus problemas passam a serem tratadas de uma forma mais racional e menos alegórica e supersticiosa, pelos pré-socráticos, sofistas e pensadores do período clássico, entre os quais se destacam Sócrates, Platão e Aristóteles.  A alma ou a mente, para Platão,é uma substância independente do corpo, eterna e se une a ele acidental e temporariamente. Não é apenas o princípio da vida, mas também princípio do conhecimento. Em Fédon, um de seus dialógos, assim,o filósofo define a alma e expõe a diferença entre ela e o corpo.  A alma se assemelha ao que é divino,imortal,dotado de capacidade de pensar, ao que tem uma forma única,ao que é indissolúvel e possui sempre do mesmo modo identidade. O corpo,pelo contrário,equipara-se ao que é humano,mortal,multiforme,desprovido inteligência,ao que está sujeito a se decompor,e que jamais permanece idêntico.(Platão, Fédon,80b,1969) Para explicar,os problemas da mente, Platão usa dois tipos de argumento: o místico e, Fedro e o humanista e racional em Timeu. Em “Fedro”, Sócrates classifica quatro tipos de loucura: a profética, que era um meio dos deuses se comunicarem com os homens, possuindo o corpo de um deles; o Oráculo. A ritual, na qual o louco se conduz ao transe, através de danças e rituais, sendo possuído por uma força exterior. Havia também, a loucura amorosa, produzida por Afrodite e a poética, produzida pelas musas . No que diz respeito ao delírio,dividimo-lo em quatro espécies,cada uma das quais provém de um deus determinado: o sopro divinatório de Apolo, a inspiração mística
Search
Tags
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x