Others

A arte do encontro: o Cineclube na escola

Description
A arte do encontro: o Cineclube na escola RESUMO: Este artigo tem por objetivo apresentar um relato de experiência sobre a rede pública municipal do Rio de Janeiro com a implantação, em 2008, do Projeto
Categories
Published
of 16
7
Categories
Published
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Similar Documents
Share
Transcript
A arte do encontro: o Cineclube na escola RESUMO: Este artigo tem por objetivo apresentar um relato de experiência sobre a rede pública municipal do Rio de Janeiro com a implantação, em 2008, do Projeto Cineclube nas Escolas. Esse texto busca provocar reflexões sobre a relação entre Cinema e Educação, além de apresentar uma metodologia de trabalho com filmes em contexto educativo formal. Por meio de três eixos acervo, ação cineclubista (exibição/produção) e formação alunos e professores têm contato com o cinema numa abordagem diferenciada. Eles são incentivados ao acesso plural de narrativas audiovisuais que visam possibilitar o desenvolvimento da sensibilidade estética, do pensamento crítico e da autonomia criativa em diferentes campos do conhecimento.o Projeto Cineclube nas Escolas é promovido pela Gerência de Mídia-Educação, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro a maior rede de ensino pública da América Latina.O acesso à cultura e à educação são direitos primários, imprescindíveis à formação cidadã, mas, com grande frequência, a cultura aparece no currículo escolar como algo supérfluo ou de menor importância em relação às demais disciplinas. PALAVRAS-CHAVE: Arte. Cineclube. Cinema. Cultura. Educação. Luciana Bessa Menezes Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro Universidade de Coimbra Introdução As coisas são porque as vemos, e o que vemos, e como vemos, depende das artes que tenham influído em nós. Oscar Wilde (Intentions, 1891) Faz muito tempo que o cinema está presente nas salas de aulas das escolas brasileiras. Então, por que trazer esse tema para discussão? Normalmente, ocinema na escola é utilizado como entretenimento, pretexto para ensinar conteúdos e até mesmo para ocupar algum tempo ocioso, na falta de um ou outro professor. Pensar em outras formas de experimentação do cinema pela educação motivou a criação, em 2008, do Projeto Cineclube nas Escolas, pela Gerência de Mídia-Educação, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro (SME/RJ) a maior rede pública de ensino da América Latina. A premissa básica da proposta é trazer o cinema para a escola não apenas como uma atividade pedagógica, mas como ato criativo, apresentando o filme como um gesto de criação. revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun O Projeto Cineclube nas Escolas foi inspirado no Plan de Cinq Ans pour les Arts et la Culture, criado em 2000, por Jack Lang, ministro de educação da França, que pretendia desenvolver as artes e a cultura nas escolas da rede pública de seu país em ação conjunta com o Ministério da Cultura. Para ajudá-lo a realizar essa tarefa, Lang convidou o cineasta AlainBergala. A propostafrancesa enfatizava o cinema como arte, desconstruindo a concepção funcionalista habitualmente dada a esta linguagem na escola. O cinema seria introduzido como hipótese de alteridade. Ele seria o outro, um estrangeiro que provoca a escola com o ato criativo. A iniciativa francesafoi a principal inspiração para a proposta do Projeto Cineclube nas Escolas que, aos poucos, ganhou feições próprias e vem se reinventando ao longo desses anos por força dos encontros com professores, alunos e parcerias que agregam importantes contribuições, de forma, inclusive, a orientar seus rumos futuros. A implantação do projeto foi marcada por um forte desejo de oferecer à escola um espaço de subversão, onde o lugar do aluno e do professor não está estabelecido de antemão, mas é configurado na relação com a experiência fílmica. Na sociedade contemporânea, quando se trata do uso do audiovisual televisão, cinema, vídeo é possível perceber que quem detém o conhecimento nem sempre é o adulto, o professor, mas, muitas vezes, a criança, o aluno. Essa subversão de papéis de quem ensina e de quem aprende pode ser compreendida a partir do princípio de emancipação intelectual, do filósofo francês Jacques Rancière (2002). Este filósofo defende que o mestre deve ser aquele que provoca a curiosidade do aluno e o guia até o conhecimento. O mestre emancipador liberta o aluno das explicações externas, oferecidas pelo mestre sábio, valorizando, assim, as novas ideias e a criação de conhecimento por parte do aluno. Para Menezes e Callais (2008, p. 4, grifo do autor): ao refletirmos, dentro do princípio da emancipação intelectual, a educação acontece justamente quando a pedagogização pára. É preciso assumir o não-saber, a ignorância, o aprender junto, para que algo, que não pode ser antecipado e previsto, aconteça. De acordo com essaperspectiva, o processo de ensino-aprendizagem está em constante movimento e não cristalizado. A relação é dialógica entre professor e aluno, na qual um ensina o outro, sem hierarquias. 12 revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun. 2017 A ideia de levar o cinema para escola como arte e a constituição de uma filmoteca propostas por Lang e Bergala foi o ponto de partida para a criação do Projeto Cineclube nas Escolas. O acesso a filmes fora do circuito comercial visa despertar novos olhares e potencialidades por meio do cinema. Em 2008, ainda na forma de projeto piloto, foram implantados 50 pontos de cineclube na rede pública municipal de ensino, distribuídos nas 30 Salas de Leitura Pólo, 17 salas de Leitura Satélite de escolas próximas aos Núcleos de Arte e Pólos de Educação pelo Trabalho, no Instituto Helena Antipof, no Centro de Referência de Educação de Jovens e Adultos e na própria Gerência de Mídia-Educação. Para marcar aestreiado projeto, foi realizada uma mesa redonda sobre cinema e educação, com a presença da diretora do Cineduc 1, Bete Bullara, do então presidente da Associação de Cineclubes do Estado do Rio de Janeiro (Ascine), Rodrigo Bouillet, e do documentarista Geraldo Pereira. Em 2010, o projeto ganhou um lançamento oficial no Cine Odeon, um dos cinemas mais tradicionais da cidade do Rio de Janeiro. Participaram desse encontro o cineasta brasileiro Silvio Tendler padrinho do Projeto Cineclube nas Escolas e Maria José Alvarez, sua ex-professora. A partir desse momento, o projeto foi sendo implantado em outras unidades, totalizando, ao final daquele ano, 210 pontos de cineclubes. A inserção de novas unidades vem ocorrendo gradualmente, a partir de um planejamento que considera o interesse de participação dos professores e alunos, os projetos estratégicos da gestão e as disponibilidades orçamentárias, definidas a cada ano letivo. (1) Cineduc Cinema e Educação é uma entidade sem fins lucrativos, fundada em 1970 e declarada de utilidade pública por lei municipal do Rio de Janeiro em 17 de janeiro de É o representante brasileiro junto ao Cifej (Centre InternationalduFilmpour l Enfance et l Jeunesse), órgão da Unesco, com sede em Montreal. Mas por que um Cineclube na escola? [...] o milagre de um grande romance, como de um grande filme, é revelar a universalidade da condição humana, ao mergulhar na singularidade de destinos individuais localizados no tempo e no espaço. (MORIN, 2000, p.44) A criança do século XXI está inserida em um mundo multimídia, onde a linguagem audiovisual circula tanto quanto a linguagem escrita. No entanto, a escola normalmente só se preocupa com a formação leitora dos alunos em relação aos livros, colocando em segundo plano a sua função na formação da leitura de revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun imagens, sejam elas fixas ou em movimento. Duarte (2004, p.213) observa que, hoje, a educação exige novos pressupostos, entre eles, aquele que admite a produção e a difusão de conhecimentos por textos compostos em imagem-som e que possam ter legitimidade, confiabilidade e valor epistemológico como de outras fontes. O cinema pode estar presente na sala de aula de muitas formas, o que se argumenta é que seu uso não seja restrito a um recurso metodológico para facilitar a aprendizagem de determinado conteúdo, ou apenas como forma de lazer e entretenimento, mas que possa favorecer a ampliação da experiência fílmica de alunos e professores.afinal, o que um filme apresenta vai além dos assuntos estudados numa determinada série ou em uma única disciplina. O cinema, assim como a literatura, pode ser um meio para refletirmos sobre o mundo a nossa volta, expondo e questionando a realidade. A proposta de cineclube propicia, tanto para professores quanto para alunos, o prazer e a reflexão acerca do filme. Ela traz a exibição como ato de cultura e um poderoso instrumento de intercâmbio, proporcionando um espaço de convívio e diálogo entre o acervo audiovisual do aluno, constituído em sua experiência cotidiana, e as produções artísticas e culturais reconhecidas de diferentes épocas e contextos socioculturais, apresentadas pela escola. O Projeto Cineclube nas escolas Atualmente, 270 unidades integram o Projeto Cineclube nas Escolas, que funciona, normalmente, no contraturno do horário de aula. Os professores que participam da proposta têm uma formação profissional muito diversificada. Ele reúne desde o professor da sala de leitura, ao professor generalista (de 1º segmento), incluindo professores de História, Artes, Geografia, Educação Física, entre outros. O projeto está estruturado a partir de três eixos: acervo (acesso), ação cineclubista (exibição/ produção) e formação. As unidades recebem equipamentos para exibição (projetor, telão, caixas de som e filmes) e paraprodução (filmadora). A ideia é subsidiar esses espaços com materiais de apoio para arealização do projeto. Apesar do acesso aos filmes na sociedade contemporânea ser mais fácil, verifica-se, no entanto, que isso não garante a diversidade cultural. Normalmente, as produções que circulam no circuito das 14 revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun. 2017 salas comerciais de cinema privilegiam um determinado tipo de narrativa fílmica. Segundo Duarte, Como a maioria dos filmes a que eles (alunos) têm acesso são feitos dentro de um certo padrão estético e narrativo, a tendência é que se estabeleça, entre eles, um ciclo de mais do mesmo : vejo apenas o que gosto, gosto apenas do que vejo. O cineclube rompe com esse ciclo quando oferece aos aprendizes de cinema a possibilidade de ter acesso a diferentes tipos de filmes e, em especial, a obras que estão fora do seu padrão de gosto. (DUARTE,2012, p.3) Para ampliar o repertório cultural dos alunos, o projeto disponibiliza um acervo de filmes nacionais de diferentes categorias e gêneros, que reunia, em 2017, 151 títulos nacionais, entre curta, médio e longa metragens. O objetivo desse material é possibilitar aos alunos formas de conhecer a linguagem cinematográfica, como mais um elemento constitutivo de sua formação e incorporar essa arte ao seu repertório cultural, ampliando, assim, sua potencialidade no exercício de uma postura crítica e reflexiva na vida e no trabalho. O que se pretende com a constituição dessa filmoteca é favorecer o contato com outras estéticas, para além daquelas que dominam o mercado cinematográfico. Bergala (2008) afirma que a filmoteca pode modestamente ajudar na escolha do que assistir, por apresentar uma primeira triagem dentre uma infinidade de opções de filmes. Segundo ele, a iniciação artística pode começar às vezes por uma simples atitude de sensibilidade pedagógica: colocar o bom objeto no momento certo ao lado da pessoa certa. (BERGALA, 2008, p. 111). O acervo facilita, ainda, o cumprimento da Lei nº /14, que determina todas as escolas de educação básica exibir duas horas de cinema nacional por mês como componente curricular complementar, integrado à proposta pedagógica. Vale ressaltar, no entanto, duas questões. A primeira diz respeito ao número de filmes, que ainda é insuficiente para dar conta do que propõe a legislação, e isso implica na discussão dos direitos autorais das obras para facilitar a aquisição de filmes para o acervo. A segunda questão é qualificar essa exibição, para que ela seja uma oportunidade de aprendizagem. É importante enfatizar, ainda, que ocineclube não temaintenção de formar consumidores de filmes para o mercado revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun nacional, mas, sim, de desenvolver o olhare o gosto de jovens e crianças por meio do cinema. O eixo acervo envolve, também, a aquisição de livros que tratam do tema cinema e educação. Atualmente, ele é composto por mais de 30 títulos, que circulam pela comunidade escolar. As unidades que integram o projeto são orientadas a emprestar tanto os equipamentos quanto o acervo (filmes e livros)para outras escolasque desejam realizar suas sessões cineclubistas ampliando, assim, a atuação do projeto para além de suas 270 unidades. Vale ressaltar que a infraestrutura é importante, porém, sozinha, não garante a exibição. É preciso a colaboração de todos os educadores para que este acervo e equipamentos sejam utilizados e mobilizados no ambiente escolar e provoque novas compreensões de mundo. O segundo eixo é a ação cineclubista na escola. A meta é a realização de pelo menos uma sessão por mês, mas isso varia de unidade para unidade, já que o projeto garante a autonomia para a realização das exibições. Ao provocar o exercício regular de ver filmes na sala de aula, aproximando a educaçãoda experiência do cinema, o projeto visa contribuir para a formação dos alunos, estimulando-os a buscar, de forma mais consciente, novas experiências com as obras cinematográficas e a leitura de narrativas audiovisuais. Na organização da sessão cineclubista, os alunos são incentivados a assumirem o protagonismo, sendo responsáveis por todo o processo de exibição: da escolha do filmeatéos desdobramentos após a sessão. Em 2012, foi lançada a proposta de alunos monitores visando a uma participação mais articulada desses jovens nas diversas etapas do projeto. Segundo Duarte (2002), para criar um ambiente de significação coletiva é importante reunir previamente informações sobre o filme a ser exibido. Esses dados podem ser: o segmento do público a que se dirige (classificação indicativa); o gênero; os créditos e a trilha sonora, sites com informações sobre a obra; trailer; especificação de metragem (curta ou longa) e crítica. Com isso a autora enfatiza a importância de trazer o contexto (histórico, político e/ou econômico) em que o filme é produzido, favorecendo uma melhor compreensão da obra. Os alunos são instigados pelos professores a realizarem pesquisas de textos e artigos sobre os filmes que serão exibidos. São sugeridas leitura de entrevistas com os diretores e atores, que 16 revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun. 2017 abordem a questão da linguagem e as escolhas da direção sobre as cenas. Os dados curiosos do filme ou das gravações também são fontes de informação que podem enriquecer o debate após a sessão e motivar outras investigações acerca do diretor ou dos profissionais que atuam na produção da obra. Para que um cineclube seja realmente um cineclube, é fundamental que haja um momento reservado para a troca de experiências depois da sessão. Ele pode ser realizado apenas entre alunos e professores ou, ainda, contar com a presença de um convidado especial. Não se trataapenasde uma leitura analítica e crítica do filme, mas de uma leitura que permita o entendimento dos alunos em relação aos signos e significados da escrita fílmica, com som e imagem, concebendo aquele espaço para além da reprodução de conhecimentos. Cabe lembrar que cada pessoa faz sua leitura individual do filme, por mais que o assista num ambiente coletivo. Segundo Duarte (2012, p. 6, grifo do autor): O cinema de cada um não interfere apenas no modo como vemos filmes, afeta também o modo como vemos e interpretamos a realidade e como compreendemos as experiências e idiossincrasias humanas. Por isso, a meu ver, é também tarefa dos cineclubistas apresentar aos aprendizes de cinema obras com alto potencial affectivo, capazes de impregnar de beleza, delicadeza, sensibilidade e alteridade o cinema de cada um deles. O eixo sessão cineclubista envolve, também, a ida de alunos e professores às salas de cinema, uma vez que a ação realizada na escola não exclui, pelo contrário, visa estimular a aproximação aos bens culturais da cidade. Muitas crianças vão ao cinema pela primeira vez por iniciativadoprojeto. Essa ação é desenvolvida em parceria com os principais festivais de cinema da cidade do Rio de Janeiro : Anima Mundi, Festival do Rio (Mostra Geração), Festival Varilux de Cinema Francês, Mostra Cinema e Direitos Humanos no Mundo, Festival de Cinema Negro Brasil/África/Caribe, Festival Internacional Pequeno Cineasta, Filmambiente, Mostra do Filme Etnográfico, Festival É Tudo Verdade, Festival Internacional de Cinema Infantil (FICI), Festival Visões Periférica, entre outros. A pluralidade das parcerias garante a diversidade nas produções visionadas, favorecendo a ampliação do repertório, inclusive, o acesso a obras de outros países. Esse eixo engloba a revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun circulação de mostras itinerantes nas escolas e a participação de alunos e professores nos festivais co mo autores de suas próprias narrativas audiovisuais. Em consonância com a proposta de Alain Bergala (2008), o Projeto Cineclube nas Escolas busca incentivar a autoria de alunos e professores.ver e fazer são frente e verso de uma mesma práxis. O processo de criação é enfatizado, não apenas o resultado dessa escrita com sons e imagens. Bergala (2008) acredita que não basta a exibição de filmes e a provocação de debates sobre o conteúdo para a formação de subjetividades críticas. Faz-se necessário conhecer o processo de produção do audiovisual, suas técnicas, narrativa e linguagem, bem como discutir a intenção por trás de determinadas representações sociais. O autor enfatiza que o professor não deve exigir ou esperar que os filmes sejam narrativos, compreensíveis e bem acabados, pois é complexa a criação de uma história com imagens e sons, decupagem, encenação, ritmos e significações e demanda anos de maturação (BERGALA, 2008, p.175). Em 2008, o Projeto Cineclube nas Escolas promoveu o lançamento, em DVD, com distribuição para todas as escolas, do 1º longa-metragem produzido por alunos e professores da rede pública municipal do Rio de Janeiro. Trata-se do documentário Alma Suburbana, que debate a questão do subúrbio carioca pela perspectiva da cultura, do espaço e da organização social. O filme produzido pelos professores Luiz Cláudio Limae Joana D arc é uma coprodução da oficina de Vídeo do Núcleo de Arte Grécia, localizado na Escola Municipal Grécia, e do Cineclube Subúrbio em Transe. A proposta era discutir a geografia local e a experiência cotidiana dos moradores do bairro a partir das mídias. Incentivados a manifestar uma visão crítica sobre seu território, os alunos produziram documentários, videoclipes, ficções e animações para expressar inquietações e expectativas. O trabalho ultrapassou os muros da escola, levando professores e alunos a buscarem espaços alternativos para exibição regular de filmes, com a participação em festivais de cinema ampliando a dimensão do que estava sendo realizado na escola. Outras produções realizadas por alunos e professores vêm ganhando destaque internacional. É o caso, por exemplo, da animação Brincadeira de Criança, produzida pelos alunos do Ciep Presidente Agostinho Neto, sob a orientação da professora Amália 18 revista entreideias, Salvador, v. 6, n. 1, p , jan./jun. 2017 Maria Mattos, selecionada pelo 11º Festival Internacional de Cine Nueva Mirada para La Infancia y La Juventud (Argentina). A formação de professores e alunos é o terceiro eixo do projeto. Afinal, como trabalhar com filmes na escola, se há um grupo de professores que não assistem a filmes ou assistem apenas às produções do cinema comercial? Obviamente o professor não precisa ser crítico profissional de cinema para trabalhar com filmes na sala de aula. Mas o conhecimento de alguns elementos de linguagem cinematográfica vai acrescentar qualidade ao trabalho. Boa parte dos valores e das mensagens transmitidas pelos filmes a que assistimos se efetiva não tanto pel
Search
Related Search
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x