Documents

A ARTE DA LUTERIA NO BRASIL.pdf

Description
v.7, n.1, 2012 revista educação A ARTE DA LUTERIA NO BRASIL THE ART OF LUTERIA IN BRAZIL Gislleine Marques de Almeida1, Professora Orientadora Ma. Alzira Pires2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo analisar o ofício da luteria, mostrando aspectos históricos, busc
Categories
Published
of 9
114
Categories
Published
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Share
Transcript
  revista educação   revista educação 68 v.7, n.1, 2012 A ARTE DA LUTERIA NO BRASIL THE ART OF LUTERIA IN BRAZIL Gislleine Marques de Almeida 1 , Professora Orientadora Ma. Alzira Pires 2 RESUMO : Este artigo tem como objetivo analisar o ofício da luteria, mostrando aspectos históricos, buscando compreender o porquê de seu pouco reconhecimento no país. O trabalho é fundamentado na teoria interpretativa hermenêutica, consistindo na compreensão e interpretação da atuação desse fenômeno no Brasil. A pesquisa conta com a história da luteria europeia e brasileira, expondo sua srcem e processo de desenvolvimento dentro e fora do país. Mostra características dos prossionais desse ofício, entendendo seus métodos de trabalho na confecção de instrumentos musicais, além de visualizar a atividade diante de seus aspectos culturais por meio de sua tradição e da pouca difusão nacional. Para compor o trabalho, o luthier Dantas Barreto foi destacado, devido à construção de um violoncelo apelidado por “Aleijadinho”, que apresenta alta qualidade sonora e estética aplicada em sua realiza-ção, bem como o alcance social que sua atividade trouxe ao país. Conclui-se que a luteria é uma arte que carece de atenção musical. Tratar o tema, neste artigo, possibilitará um breve conhecimento e proporcionará uma reexão sobre o pouco reconhecimento dessa prossão em território nacional. PALAVRAS-CHAVE:  Luteria. Luthier. Instrumento. Música. Artesanal. Brasil.  ABSTRACT  : This article aims to analyze the craft of luteria, showing historical, seeking to understand why their little recognition in the country. The work is grounded in hermeneutic interpretive theory, consisting in the understanding and interpretation of the role of this phenomenon in Brazil. The research includes the history of European and Brazilian luteria, exposing its srcin and development process within and outside the country. Shows the characteristics of  professionals in this occupation, understanding their working methods in the manufacture of musical instruments, and view the activity on its cultural aspects through its tradition and little national distribution. To compose the work, the luthier Dantas Barreto was highlighted by the construction of a cello nicknamed “Aleijadinho”(Little Cripple) which features high sound quality and aesthetics applied in their implementation, as well as the social impact that their activity brought to the country. It is concluded that the luteria is an art that needs attention of music. Address the issue, this article will enable a knowledge and provide a brief reection on how little recognition of this profession in the country. KEYWORDS: Luteria. Luthier. Instrument. Music. Craft. Brazil. 1  Aluna Graduada no curso de Educação Artística (Artes Visuais), na Universidade Guarulhos. 2  Graduação em Letras germânicas pela Universidade de São Paulo. Mestrado em Letras (Literatura Portuguesa) pela Uni-versidade de São Paulo. Professora auxiliar da Universidade Guarulhos.  revista educação   revista educação 69 v.7, n.1, 2012 Introdução Esta pesquisa tem como objetivo estudar a importância do trabalho artesanal na construção de instrumentos musicais de corda, enfatizando a lute-ria artística e tradicional do luthier Dantas Barreto na elaboração de um violoncelo apelidado por “Aleijadi-nho”, perante o reconhecimento popular dessa arte tão pouco difundida no país. Para tanto, a metodo-logia interpretativa hermenêutica foi escolhida para abordagem do tema, a m de compreender o trabalho da luteria, desenvolvendo interpretações de ações na vida social do indivíduo perante o mundo, sob uma perspectiva cultural e histórica. Diante da grande inuência da música na vida do ser humano e nas suas mais variadas formas de expressão da arte, conhecer um pouco do trabalho re- alizado pelo prossional de luteria é importante para a contribuição do seu reconhecimento e valorização no Brasil pela forte presença de diversas manifestações artísticas em um único instrumento musical. Dentre algumas armações, muitas questões se colocam: O que é a luteria? Como é feito o trabalho artesanal na construção de instrumentos musicais? Qual a importância dessa arte para o Brasil? Como é a popularidade dessa prossão no país? É a partir de questões como essas que o tema surgiu e pela busca incessante por respostas que o projeto será desenvolvido, a m de discutir a arte da lu -teria em território nacional, focando o trabalho técnico e prossional do luthier Dantas Barreto, além do seu papel na sociedade brasileira.Os dois autores cujas obras fundamentam este trabalho são o jornalista Carlos Roque, autor do livro “Luthiers – Artesãos Musicais Brasileiros”, e a jornalis-ta e assessora de imprensa Márcia Glogowski, autora do livro “Aleijadinho, o Violoncelo – A luteria de Dantas Barreto”.Carlos Roque é tido como o autor da primei- ra literatura da prossão no Brasil. Em sua obra, ele mostra o trabalho de oito consagrados Luthiers brasi-leiros, focando o cotidiano e acompanhando-os nes-sa prática, dando pistas a respeito de como ela está congurada no mercado, que, por sua vez, é intima -mente ligado à atividade musical e orquestral. Márcia Glogowski, em seu livro, lançou-se à ta-refa de divulgar o trabalho da arte de luteria focando o luthier pernambucano Saulo Dantas Barreto, com seus instrumentos ricamente ornamentados e reconhecidos internacionalmente. Portanto, dois autores renomados fortalecem, com suas obras, a importância da luteria como arte no Brasil, que, embora seja bastante jovem no país, com- parada aos países europeus, é uma prossão capaz de realizar a abertura de novas perspectivas sonoras no universo musical brasileiro.Em síntese, o trabalho será estruturado com perspectivas teóricas e metodológicas para buscar apreender o signicado, srcinário e simbólico, das téc -nicas dos artesãos de instrumentos musicais, propor-cionando ao público, que desconhece ou sabe muito pouco sobre o trabalho de um luthier, uma explanação da luteria na sociedade e possível incentivo à cultura musical do país por meio do artesanato, estimulando o leitor a uma reexão sobre o tema. Música, doce música Poucos universos artísticos são tão fascinantes como o da música. Ela é muito mais do que uma união de sons. Ela é suave, transformadora e doce tão doce, como diz o título de um livro de Mário de Andrade “Mú-sica, doce música”. Moraes (2001) arma que “Música é, antes de mais nada, movimento. E sentimento ou consciência do espaço-tempo. Ritmo; sons, silêncios e ruídos [...] Música é igualmente tensão e relaxamento, expecta-tiva preenchida ou não” (MORAES, 2001, p. 7-8). En- m, pode-se dizer que a música é uma das linguagens artísticas mais amplas do mundo, é um fenômeno  revista educação   revista educação 70 v.7, n.1, 2012 universal que tem o poder de emocionar, seduzir ou, simplesmente, expressar-se perante o homem ou a natureza.Os instrumentos musicais atuam como algu-mas das ferramentas responsáveis em gerar os sons, porém o que muitos desconhecem é que, por detrás desses equipamentos, não há somente instrumentos fabricados em série, mas os feitos artesanalmente. Es-ses instrumentos artesanais são elaborados por uma técnica chamada luteria, trabalho que requer intuição aguda, afetividade estética e musical aoradas. Origem da palavra Luteria Luteria é uma palavra de srcem francesa que tem raízes na palavra árabe al’ud, que, em inglês, diz--se lute, evolui para alaúde. Em alguns dicionários ou em textos sobre a prossão, encontram-se edições com a palavra escrita de diferentes maneiras como: “Luherie”, “Luteraria”, “Luhieria”, “Luteiro”, “Liuteria”, entre outras. De qualquer forma, todos os termos se srcinam da palavra alaúde. O alaúde é um instrumento antigo, criado na Idade Média, e foi o primeiro instrumento de cordas beliscadas com caixas de ressonância da Europa. Sua forma denitiva possui cinco cordas duplas e uma cor  -da simples, um braço na extremidade e um aspecto de meia pera. Esse instrumento clássico inspirou o nome da prossão e dos prossionais que praticam a luteria, ou seja, o desenvolvimento artesanal de instrumentos musicais de corda. Segundo Carlos Roque, no livro Luthiers – Artesãos Musicais Brasileiros , a luteria é denida como a “Arte de elaborar instrumentos musi -cais acústicos de madeira construídos minuciosamen-te a mão” (ROQUE, 2003, p.11). Hoje em dia, com tantos instrumentos industria-lizados, são poucos que se dedicam a essa técnica tão interessante e antiga. Exemplo dessa escassez nota--se na ausência da palavra em muitos dicionários da Língua Portuguesa. Essa falta reete a realidade, logo não há muitos registros da arte da luteria no Brasil. História da Luteria Devido à primeira revolução industrial, ocorrida no século XVIII, inúmeras atividades desenvolvidas manualmente deixaram de ser produzidas para dar lugar às linhas de montagem das indústrias, graças ao avanço tecnológico de uma nova fase histórica. A luteria foi uma das atividades manuais que não desa-pareceram nesse contexto e nem perderam o seu sig- nicado srcinal. Os luthiers são artistas inseridos numa linhagem sosticada que, na visão de Carlos Roque, “[...] data do século 7 a partir do surgimento da monodia (uma única linha melódica) usada no território sacro pelo canto gregoriano como veículo de puricação e eleva -ção espiritual” (ROQUE, 2003, p. 11).  A partir do século XI, alguns instrumentos foram construídos nos recantos das terras por vassalos, en-tre eles a rabeca de cordas e a guitarra barroca. É ne-cessário mencionar que o processo construtivo preci-sava, obrigatoriamente, da aprovação dos senhores feudais, pois esses instrumentos eram utilizados em festas, nos salões dos castelos medievais, por trova-dores (poetas líricos) ligados à elite social da época. Havia, também, os bardos menestréis errantes (po-etas e cantores líricos e heroicos) que, ao contrário dos trovadores, eram considerados pertencentes a uma subclasse e cultivavam uma vida itinerante. Eles eram nômades, sem ligação nenhuma com a elite, perambulavam pelos feudos, disseminando cantigas e suaves melodias por onde passavam. De acordo com Mário de Andrade, “A inuência dos menestréis populares e dos trovadores cortesãos sobre a música erudita, se manifesta fortemente no séc. XIV” (AN-DRADE, 1976, p. 62). Os bardos viviam de ciganagem, não se deixa-vam explorar por ninguém. Eles formavam grupos de menestria e nomeavam um representante como “Rei  revista educação   revista educação 71 v.7, n.1, 2012 dos Menestréis”, para que ele negociasse as apresen-tações do grupo e obtivesse o maior lucro possível. Essas apresentações seguiram por muitos anos, e a última que se tem notícia foi datada de 1447.Com o tempo, por meio da força poética dos trovadores e bardos, o aprimoramento dos instrumen-tos musicais foi acontecendo, uma vez que, quando tocados, tornava o canto mais alegre e vibrante. Com isso, o número de artesãos foi crescendo considera-velmente, visto que a música pagã se desligou da ética puritana, representada pelo poder da Igreja, caindo no gosto da nobreza. Conforme Roque, “Foi mais ou me-nos nas águas desses mares que o ofício dos luthiers deu um salto quantitativo e qualitativo no cenário arte-sanal europeu daquela época, de modo a propagar o gosto pela execução de instrumentos de cordas [...]” (ROQUE, 2010, p. 36).De acordo com os peritos na área da luteria, para dominar a técnica da prossão é necessário mais do que habilidade. Carlos Roque arma: Não basta apenas ter habilidade manual – condição fundamental - , mas, também, apu- rada sensibilidade auditiva, renado senso es -tético, criteriosa precisão geométrica, noções avançadas de design e imprescindível paixão pela música que, das artes, certamente é a mais bela e a que toca mais profundamente as mentes e os corações. Os sons musicais são doces para a alma (ROQUE, 2003, p.13).  A arte de construir instrumentos de forma manu-al é complexa e deve obedecer a cuidados imprescin- díveis para que o resultado nal atenda às perspecti -vas sonoras desejadas. Historicamente, as primeiras escolas especializadas no ofício surgiram em Brés-cia, Nápoles e, especialmente, em Cremona, escola considerada, até hoje, a principal do ofício e fundada pelo luthier Andrea Amati. É importante ressaltar que o luthier mais notável foi o italiano Antonio Stradivari (1644-1737), responsável pela fabricação do violino mais caro e cobiçado do mundo, o “Stradivarius”, ins-trumento que chega a custar bem mais de 1 milhão de dólares. No universo da luteria, a maioria dos ar-tesãos davam importância e crédito dos instrumentos nas madeiras utilizadas, porém, alguns luthiers mini-mizaram essa importância, como Giuseppe Del Gesu (1698-1744), que, suspeito de assassinato, foi preso e, no cárcere, passou a trabalhar com madeiras levadas por seus familiares para a construção de violinos. Ao construir um violino apelidado de “o canhão”, mostrou que a qualidade da madeira não era fundamental para o resultado nal da construção, pois a potência sonora do instrumento era muito superior. Em suma, recorrendo à denição etimológica de Roque, pode-se armar que Embora a arte da construção de instrumentos musicais feitos à mão remonte a milênios, o lento salto da lutherie  [...] ocorreu na Idade Média (início do século 5 até meados do sé-culo 15) e no Renascimento (séculos 15 e 16).  A música tocada e cantada no continente eu-ropeu pelos bardos menestréis medievais no século 11 e depois pelos trovadores [...] deu signicativo impulso para que os artesãos bus -cassem um nível de aprimoramento cada vez mais esmerado – tanto em termos de beleza plástica como em tentativas, nem sempre fru-tuosas, de aperfeiçoamento sonoro (ROQUE, 2003, p. 16).  A luteria europeia deixou grandes marcas e, até hoje, é a maior fonte de referência da prossão no mundo. Com tantos renomados luthiers consagrados nesse continente, não poderia ser diferente. Luteria brasileira  A luteria brasileira é uma das artes mais promis-soras e delicadas. Embora bastante jovem em relação a luteria europeia, promete novas perspectivas plásti-
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks
SAVE OUR EARTH

We need your sign to support Project to invent "SMART AND CONTROLLABLE REFLECTIVE BALLOONS" to cover the Sun and Save Our Earth.

More details...

Sign Now!

We are very appreciated for your Prompt Action!

x